Náutico administra a vantagem contra o Atlético Catarinense e leva a taça do Municipal para o Santinho

Nada como uma tarde cinzenta e melancólica para fechar 2016. Na Ilha, outrora da Magia, o futebol amador chegou ao seu final nesse 17 de dezembro. Depois de quatro meses de bola rolando pelas canchas florianopolitanas, o último campeão amador de Santa Catarina do ano seria conhecido na Trindade, no acanhado campo da Gruta. Ou o local Atlético Catarinense faria mais de três gols de diferença e coparia o inédito título da Liga ou o Náutico, do Santinho, administraria o marcador e alcançaria o bi municipal.

Clube Atlético Catarinense
Sérgio Souza escalou o Galo da Trindade com Juliano; Cláudio, Bly, Willian e Biel; André, Gardena e Thiaguinho; Felipinho, Verruga e Osvaldo. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
Náutico Futebol Clube
Homenageando a Chape, o Náutico, sob o comando de Gabriel Lemos, adentrou o campo da Gruta com Gabriel; Jean, Baiano, Jeferson e Dudu; Jan, Lukinha, Bruninho e Jube; Mano e Bruno Almeida. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
atletico-catarinense-x-nautico
Filipe de Souza comandou a partida. Renato Erdmann e Carlos André Inácio foram os bandeirinhas e Paulo Sérgio Valdir Martins o quarto árbitro. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

A esquadra do Santinho chegou a essa excelente e, de certa forma, surpreendente vantagem ao golear na primeira partida, realizada em Santo Antônio de Lisboa. Por lá, no sintético do Avante, Cláudio e Bruninho, duas vezes, deixaram o Náutico com uma mão na taça.

atletico-catarinense-x-nautico12
Náutico fez uma camiseta especial para a entrada em campo. Bela homenagem para fechar o ano do futebol amador. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Durante o campeonato, o Náutico teve uma campanha irrepreensível. Foi perder, entretanto, justamente quando não podia: no clássico do Norte da Ilha, contra o Grêmio Cachoeira, válido pelas semifinais. No tribunal, porém, deu Náutico. O zagueiro Nathan havia entrado em situação irregular na partida de volta. Obviamente, o time do Santinho exerceu seu direito e buscou a vaga na final via tapetão – o time da Cachoeira do Bom Jesus alega que não foi notificado sobre o julgamento.

atletico-catarinense-x-nautico13
Equipe do Náutico pode perder até por 2 a 0 para levar a taça de campeão para o Santinho. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Pelo lado do Galo da Trindade, a vaga na final veio sem maiores sustos. Nas quartas, deixou o Cruz de Malta para trás com um empate e uma vitória. Já nas semis, o Atlético deixou o Campinas sonhar com uma terceira final seguida ao perder no Campeche. Na segunda partida, sob seus domínios, deu a volta por cima e, de forma implacável, meteu 5×0.

atletico-catarinense-x-nautico19
Torcida do Galo fez mais uma baita festa nas arquibancadas. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
atletico-catarinense-x-nautico18
Em casa, o Atlético costuma aproveitar a força de sua torcida: venceu todas as partidas como mandante (sua única derrota na Gruta, foi para o Botafogo, com mando de campo do rival). Foram 30 gols em 8 jogos. Média acima do placar necessário para levar a final para os pênaltis. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Devido as suas dimensões mínimas, o campo da Gruta costuma pregar algumas peças nos goleiros. Como o toque de bola é prejudicado, os times apostam nas bolas paradas. Quem se valeu desse artifício primeiro, ao contrário do que se imaginava, foi a equipe do Náutico. Aos 5, Jube bateu de longe e quase surpreendeu o goleiro Juliano. Seis minutos depois, foi a vez do lateral Jean arriscar, obrigando o arqueiro a dar uma de Serginho, afastando de manchete. Ainda que parecesse inseguro no começo, Juliano viria a salvar o Atlético aos 14, quando Bruno Almeida saiu na cara dele, mas o goleiro mostrou reflexo e tirou com o pé. Só dava Náutico.

atletico-catarinense-x-nautico26
Jean levou a pior junto à lateral. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Quando enfim o Atlético caiu na real e lembrou que precisaria fazer no mínimo três gols para sonhar com o inédito título, a bola parou na trave. Verruga, aos 26, desviou no primeiro pau, mas o goleiro Gabriel salvou de forma milagrosa; a bola ainda bateu no poste e saiu. 15 minutos depois, Osvaldo arriscou de entrada da área e mandou por cima. O placar só saiu do zero no último minuto do primeiro tempo – quando o relógio já batia a casa dos 48 minutos de jogo. Se valendo da pressão exercida nos últimos minutos, Biel mandou uma cobrança de lateral na área; a pelota rebateu e sobrou na medida para Felipe Gardena pegar na veia, sem chances para Gabriel.

atletico-catarinense-x-nautico35
Foi de uma cobrança de lateral de Biel que saiu o gol do Atlético. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
atletico-catarinense-x-nautico41
Verruga armou a conhota para o chute, mas foi Gardena quem chegou primeiro e mandou para o gol, tirando o zero do placar. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

O segundo tempo, ao contrário do que se espera de uma final, não foi tão movimentado quanto o primeiro. Mais uma vez o Náutico soube aproveitar as dimensões do campo e armou uma defesa bem fechadinha, praticamente instrasponível. Novamente, a bola parada foi a saída encontrada para chegar à meta adversária. Aos 15, Osvaldo foi derrubado na meia-lua – até chegou a cair dentro da área, mas o juiz acertadamente marcou apenas falta. Na cobrança, Biel bateu bem, mas Gabriel voou para espalmar. O Náutico respondeu aos 20, em chute cruzado de Mano.

atletico-catarinense-x-nautico27
Gabriel, levando o Santinho na camisa, foi o destaque da equipe. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

 

Para dar uma compensada e abrir mais espaços em campo, Filipe de Souza tratou de expulsar um de cada lado depois dos 30. O primeiro foi Jean, do Náutico. Após muita confusão e ameaças da torcida local, o lateral deixou o campo. Já no lance seguinte, Bly confirmou sua fama e deu uma segunda entrada dura no adversário e, dessa vez, não escapou do vermelho – a primeira, poucos minutos antes, já poderia ter rendido uma expulsão direta, mas o zagueiro foi poupado e recebeu apenas o amarelo.

atletico-catarinense-x-nautico20
O inferno é na Gruta! (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

 

 

Assim como no primeiro tempo, o Atlético voltou a exercer uma baita pressão no final da segunda etapa. Foi aí que brilhou a estrela de Gabriel, o jovem arqueiro do time do Santinho. Primeiro após outra boa cobrança de falta de Biel, em que novamente ele conseguiu espalmar para fora. Pouco depois, já nos acréscimos, salvou com os pés, garantindo o placar magro a favor do adversário. Justamente o que o Náutico precisava.

atletico-catarinense-x-nautico43
Precisando de dois gols no segundo tempo, o Atlético arriscou de todas as formas. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Findado o tempo regulamentar, novamente a taça da Liga Florianopolitana, ainda que sub judice, tomou o rumo do Norte da Ilha. Dessa vez, assim como em 2011, o Santinho a recebeu com carreata e tudo. Vale lembrar que Atlético e Náutico já voltam a campo no primeiro semestre do ano que vem, para a disputa da Copa Interligas.

Mais retratos da decisão

Festa do Náutico na Trindade

atletico-catarinense-x-nautico6
A canoa do Náutico não virou. Foi assim, honrando seu nome, que o clube levou o caneco para o Santinho. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
atletico-catarinense-x-nautico7
Depois de copar o Municipal pelo Náutico como jogador, em 2011, Gabriel Lemos, o Biel, comandou a equipe do Santinho ao bi. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Assim como as equipes, O Cancheiro finalmente entrará de férias, já na contagem regressiva para o fim desse medonho ano de 2016. A final do Municipal de Floripa foi uma bela forma de encerrar a temporada – e, de quebra, compensar nossa falta na decisão do ano passado.

atletico-catarinense-x-nautico9
Não era bem esse troféu que o zagueiro Bly gostaria de levantar. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
atletico-catarinense-x-nautico11
Náutico bicampeão. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Um baita 2017 e logo logo estamos de volta! Abraço!

(Ainda que essa seja a despedida oficial desse ano, ainda estou devendo uma postagem. E não é qualquer post. É a final do Regional da LARM, o tradicional Clássico da Polenta, realizado no último dia 27. Devido a tudo que se sucedeu um dia após, o clima de festa e comemoração se perdeu completamente e o post acabou ficando escanteado. De toda forma, faltam alguns detalhes e, até o final dessa semana, o relato da mais um título do Caravaggio pintará por aqui, mesmo que seja apenas para registro).

 

 

 

Um comentário sobre “Náutico administra a vantagem contra o Atlético Catarinense e leva a taça do Municipal para o Santinho

  1. […] Foi nessa friaca absurda que o Botafogo estreou no certame, visto que o duelo contra o Campinas foi adiado para o feriado de 7 de setembro. O atual campeão Náutico, pelo contrário, debutou normalmente na primeira rodada, quando venceu o Cruz de Malta sem maiores dificuldades. Apesar de estar jogando na Trindade, os visitantes guardam boas recordações do campo da Gruta, pois foi lá que eles levantaram o caneco do Municipal do ano passado. […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s