Guerreiros da Chape seguem adiante na Copinha e dão provas de um futuro iluminado para o Verdão

Dale!

Nossa jornada pelo interior paulista e pela Copinha ganhou uma parada mais do que especial em Capivari, distante 140 quilômetros da Capital. Após o segundo lugar e uma classificação na base da raça, na vizinha Porto Feliz, os guris da Chapecoense desembarcaram em Capivari para enfrentar nada menos do que o São Paulo, atual campeão da Libertadores Sub-20 e dono da melhor campanha da Copinha.

sao-paulo-x-chapecoense30
O Tricolor Paulista estreou no mata-mata com Lucas Paes; Igor, Eder Militão, Rony e Liziero; Pedro, Vinícius e Frizzo; Léo Natel, Heron e Caíque. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
sao-paulo-x-chapecoense27
O Verdão do Oeste foi a campo com Tiepo; Fauth, Luiz Pedro, Igor e Ronei; Bruno, Japa, Ned e Guilherme; Lima e Luquinhas. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
sao-paulo-x-chapecoense22
Quarteto de arbitragem composto por Rafael Feliz da Silva, Alex Ang Ribeiro, Risser Jurassi Corrêa e Michel Luciano de Lima. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Se a Copa São Paulo de Futebol Júnior é uma boa oportunidade dos clubes nacionais darem uma amostra do seu futuro, não há time melhor para aproveitar esse laboratório do que a Chape. Com 11 jogadores nos profissionais – boa parte dos que eram titulares nas campanhas finalistas do Catarinense e da Copa SC Sub-20 -, o Índio busca uma retomada sem perder a identidade, apostando na base como sempre fizera.

sao-paulo-x-chapecoense1
Algo inimaginável até um mês e meio atrás, as camisas da Chape estão sendo as mais vendidas em São Paulo, não só nas canchas que vêm recebendo o time catarinense. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

A gurizada, ainda com a memória recente de seus ídolos que se foram, prestou uma belíssima e emocionante homenagem ao jogar de igual para igual com o todo-poderoso São Paulo. Ali, no onze contra onze, o Verdão se multiplicou em campo e não deu espaços para o refinado toque de bola do adversário, como se estivessem em campo mais de onze atletas fardados de verde. Quem duvida que não foi o Danilo que deu um empurraõzinho a mais para Tiepo ir buscar uma cabeçada de Eder Militão à queima-roupa? Ou que o Caio Júnior não deu uma luz a Emerson Cris na montagem de um esquema compacto e eficiente na marcação?

sao-paulo-x-chapecoense15
A entrega dos jogadores da Chape durante os 90 minutos foi algo lindo de se ver. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Tais questionamentos jamais serão respondidos. A única resposta possível é a que os juniores do Furacão estão dando, dentro de campo, a um orgulhoso povo chapecoense. Desde a primeira etapa, de uma certa superioridade ofensiva paulista, era nítido que os jogadores da Chape entraram com um espírito copeiro, inspirados no elenco que entrou para a história.

sao-paulo-x-chapecoense2
Tinha até torcida organizada feminina para os guris do Verdão. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Enquanto as arquibancadas travavam um duelo à parte, o segundo tempo se desenrolava na mesma toada que os primeiros 45 minutos. De um lado, a torcida local entoava o já tradicional “vamo, vamo Chape”, abraçando os guris do Índio Condá como se fosse o clube da cidade. Do outro, a torcida do São Paulo, que foi lotando seu espaço aos poucos, puxava seus cânticos sempre presentes no Morumbi. Dentro de campo, contrariando o domínio tricolor, Rhainer acertou uma cabeçada no travessão, quase abrindo o placar para Verdão aos 43 do segundo tempo.

sao-paulo-x-chapecoense19
Tricolores também compareceram em bom número à Arena Capivari. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

A torcida capivariana/chapecoense até chegou a inflar ainda mais seu grito, empurrando o time para um pressão final, mas a expulsão do próprio Rhainer, no lance seguinte ao da bola na trave, atrapalhou os planos catarinenses. Com o placar zerado, a classificação à terceira fase seria decidida da marca da cal.

Fotos dos 90 minutos regulamentares

E de pênalti poucos goleiros entendiam tão bem como Danilo. Espelhado nele, Tiepo se posicionou sob as traves e, de cara, voou para espalmar o chute de Eder Militão. Para a Chape, Vini e Bruno converteram suas primeiras cobranças. Tiepo parecia realmente estar iluminado naquela noite de terça, já que, nas duas cobranças seguintes do São Paulo, ele acertou o canto: na segunda, chegou a encostar, mas o chute de Paulo Boia estufou as redes; depois, ele pulou para a esquerda e só observou o chute de Geovane passar ao seu lado e encontrar o caminho da linha de fundo. Na sequência, Lucas Paes espalmou o chute de Ronei, dando uma esperança a mais para o Tricolor, mas Ned foi lá e tratou de acabar com a série: 4 a 2 para a Chape e vaga garantida na terceira fase.

sao-paulo-x-chapecoense28
Tiepo foi de encontro à bola batida por Eder Militão. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
sao-paulo-x-chapecoense5
Após o jogo, a lembrança aos ídolos foi inevitável. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
sao-paulo-x-chapecoense18
O elenco do Índio Condá entoou o “vamo, vamo Chape” ainda em campo. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
sao-paulo-x-chapecoense7
Um devido agradecimento dos guerreiros à torcida que os fez jogar como local na pequena cidade de 50 mil habitantes. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Adversário da Chape na próxima fase, Capivariano elimina Nova Iguaçu de virada na preliminar

A torcida de Capivari estava realmente iluminada nessa rodada dupla. Antes de apoiar a Chape, os locais assistiram o time da cidade, o Capivariano, enfrentar os cariocas do Nova Iguaçu.

nova-iguacu-x-capivariano12
Armênio Moura escalou o Nova Iguaçu com Matheus Miranda; Menezes, Caio, Procópio e Danilo; Ernesto, Ronald, Wellington e Ramon; Vitor Félix e Nathan. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
nova-iguacu-x-capivariano13
Jogando em casa, o Capivariano, do técnico Anderson Aparecido Gôngora, entrou em campo com Hudson; Gabriel Doneda, Adriel, Fujita e Lucas Praxedes; Pablo, Leonardo, Matheus e Neto; Gabriel Taliari e Neto Costa. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
nova-iguacu-x-capivariano11
Quarteto de arbitragem composto por Aurélio Sant Anna Martins, Luis Alexandre Nilsen, Guilherme Holanda e Gabriel Petrini Rodrigues. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Apontado como favoritíssimo pela imprensa local, o atual vice-campeão paulista de juniores foi surpreendido no primeiro tempo. Quem acompanhou a campanha do Nova Iguaçu em Porto Feliz, deixando, inclusive, a Chapecoense no segundo lugar, não apontaria o resultado parcial de 2 a 1 como uma surpresa. Nathan abriu o placar para os visitantes – oficialmente mandantes pela melhor campanha -, Matheus apareceu na frente do arqueiro para desviar e empatar, mas os cariocas chegaram ao segundo com Menezes, de cabeça.

nova-iguacu-x-capivariano14
Sempre que solicitado, Hudson correspondeu, dando segurança ao Capivariano lá atrás. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Como era previsível, o Nova Iguaçu acabou recuando e deu cancha para o Capivariano dominar o segundo tempo. Aos 13, Bruno recolocou números iguais no marcador. Quando tudo se encaminhava para uma disputa por pênaltis, Gabriel Taliari invadiu a área com velocidade e foi derrubado. Penalidade convertida em gol pelo batedor oficial Neto.

Galeria de fotos da peleia envolvendo o time local

Os triunfos colocaram Capivariano e Chapecoense frente a frente, dividindo a torcida local. O confronto foi disputado e vencido pelo Índio na quinta-feita, quando O Cancheiro já tomava o rumo de volta para Santa Catarina. A vontade, obviamente, era de ficar mais tempo – quem sabe ano que vem.

Continue ligado que 2017 promete! Aquele abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s