Inter domina o São José dos Campos e se classifica com 100% de aproveitamento

Buenas!

O grupo 20 da primeira fase da Copinha chegou ao final no último domingo. Em uma rodada matutina no Martins Pereira, Internacional e São José dos Campos se enfrentaram com objetivos distintos. O time gaúcho, em sua maioria reserva, queria sua terceira vitória para fechar a primeira fase com uma das melhores campanhas. Já os joseenses, jogando todas suas fichas na partida, precisavam da vitória para ultrapassar o Mogi Mirim.

sao-jose-dos-campos-x-internacional2
O São José dos Campos entrou em campo para a última rodada com João Victor; Gabriel Carvalho, Eduardo, Rafael e Andrey; Renan (Mateus Leal), Wesley, Igor (Guilherme) e Lucas (Pablo); Gabriel Arruda (Gustavo) e Cauan (DIego). (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
sao-jose-dos-campos-x-internacional7
Apressado pela televisão, o Inter não posou para a foto. Carlos Leiria escalou um Colrado alternativo com Kevin; Reverson, Gabriel Mentz, Izael (Roberto) e Desailly; Elias (Val), João Pedro e Bruno José (Vitinho); Felipe (Matheus Maurício), Pedro e Mila (André). (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
sao-jose-dos-campos-x-internacional1
Trio composto por Willer Fulgêncio dos Santos, Marco Antônio Motta e Luiz Alberto Andrini. Marcos Silva Gonçalves foi o quarto árbitro. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Com sete gols marcados – cinco contra o Mogi Mirim e dois contra o Aimoré – a campanha do colorado só não era melhor que as de Corinthians e São Paulo. A soma geral dos pontos, além de dar a preferência na escolha da sede, pode vir a ser determinante lá na quarta fase da competição, quando o melhor eliminado – alô, Noveletto – se classifica juntos com os 15 vencedores.

Como a ambição do São José era basicamente se classificar, independente de como fosse, o time da casa entrou em campo com mais gana de triunfar. Aproveitando que a zaga do Inter ainda não havia entrado na partida, o time da casa apostou na velocidade pela direita, mas não conseguiu concluir ao gol. Sem conseguir aproveitar seu melhor momento, aos poucos o São José foi vendo o rival dominar a meia-cancha e abrir o placar aos 22, com Bruno José, após uma bela enfiada de Elias.

O placar magro persistiu durante o resto do primeiro tempo. A melhor chance para ampliar saiu dos pés de Felipe, um dos poucos titulares remanescentes, após um lençol no zagueiro seguido de um bom chute, defendido por João Victor. Ao contrário do que fizera contra o Mogi, o Inter não conseguiu colocar o São José na roda, deixando o duelo completamente em aberto para a segunda etapa.

Quando os ponteiros do relógio se alinhavam no Martins Pereira, marcando o meio-dia de domingo, Inter e São José voltavam a campo com o sol diretamente nas cabeças dos jogadores, sem sequer uma sombra. O Inter fez valer seu melhor preparo físico e aproveitou os primeiros minutos para ampliar: em mais uma tacada perfeita de Elias, dessa vez foi Mila que saiu na cara de João Victor para ampliar.

O São José até viria a esboçar uma reação, sempre na base dos contra-ataques. Enquanto o Inter, com seus atacantes bem postados ofensivamente, seguia aproveitando os buracos na defesa e chegando com facilidade. Aos 18, após incessante troca de passes colorada, Elias novamente aproveita a defesa em linha do São José, enfia para Pedro, que só tem o trabalho de cruzar rasteiro para Vitinho chegar empurrando para as redes.

O desconto da equipe joseense veio pouco depois, aos 25. Em uma excelente troca de passes dentro da área colorada, Diego fez uma bonita jogada, encontrou Guilherme, sem marcação na área, que rolou para Gustavo dividir com a marcação e mandar para o gol. Detalhe que os três protagonistas da jogada haviam entrado no decorrer da partida.

sao-jose-dos-campos-x-internacional3
Torcida, ainda que em número bem inferior ao que registrava o São José EC – o original -, vibrou com o gol de honra do time local. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Já sem muitas esperanças, o São José se deu por satisfeito com o gol de honra. Enquanto isso, o Inter, também sem a mesma vontade, tentava ampliar o placar. O jogo, que já não estava grande coisa, se tornou entediante a partir de então. Não víamos a hora do juizão Willer Fulgêncio Santos, de atuação discreta até então, apitar o final do jogo para tomarmos o rumo da Capital. Da Rua Javari, sendo mais específico.

Mais fotos

Com o trinfo, o Inter fecha a primeira fase com a terceira melhor campanha dentre os 120 clubes que começaram a Copinha. Pela melhor campanha, o Colorado segue utilizando a baita estrutura de São José dos Campos, onde recebe, na quarta, o Tabão da Serra, segundo colocado no grupo que teve o Ceará como líder.

Como mencionado anteriormente, O Cancheiro se despediu do Vale do Paraíba e se dirigiu a um dos templos do futebol alternativo: o Estádio Conde Rodolfo Crespi, na Mooca.

Fique ligado que ainda tem muita Copinha por aqui! Até!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s