Em Morro da Fumaça, Xanxerê elimina o Atlético Pomerodense com gol no finalzinho e segue vivo no Estadual

Buenas!

Pelo segundo ano consecutivo, cá estamos para mais uma cobertura do Campeonato Catarinense Não-Profissional. Depois de acompanhar o futebol amador por boa parte do Estado, obviamente que O Cancheiro não ficaria de fora da maior e melhor de todas as competições, a festa do genuíno futebol catarinense.

Um ano atrás, o blog atravessou Santa Catarina de ponta a ponta para fazer sua estreia no certame. Lá, na distante São Miguel do Oeste, vi o Metropolitano de Nova Veneza levantar o caneco. Em 2016, no entanto, uma viagem mais modesta nos aguardava. Morro da Fumaça, com o Rui Barbosa, e Nova Veneza, dessa vez com o Caravaggio, receberiam as equipes dos outros quatro cantos de Santa Catarina para a disputa.

Como a tabela previa jogos simultâneos na primeira fase e nas semifinais, fui impedido de acompanhar todas as partidas da competição, como fizera em São Miguel. Sendo assim, tive que fazer a dura escolha entre as duas sedes. Como o Caravaggio já fora visitado pelo blog em 2016, na final da Copa Sul, tomei o rumo da pequena e pacata Morro da Fumaça. Por lá, o anfitrião Rui Barbosa assistiu o confronto entre Xanxerê e Atlético Pomerodense, no aguardo do seu adversário nas finais.

Xanxerê Futebol Clube
O Xanxerê, do técnico Sérgio Gasparini, foi a campo com Índio; Grilo, Alexandre, Guga e Valmir; Basílio, Edson Negão, Edivaldo (Renan) e Jair Mueller (Luiz Fernando); Fumaça (Marcos) e Renato (Marcelinho) (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
Clube Atlético Pomerodense
Xexa, vice da Interligas pelo Unidos, para o próprio Atlético Pomerodense, mandou a equipe a campo com Bambam; Dimas (Cavilha), Alceni, Chico e Marcão; Kinho, Duda (Leandrinho), Marcelinho e Bruninho; Rafael Carioca e Vinícius (Lopes). (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
xanxere-x-atletico-pomerodense
Arbitragem de Filipe Silveira Pacheco, Elen Carolin Sieglitz e Alexandre de Medeiros Lodetti. Andre Martinho Miguel foi o quarto árbitro. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Credenciado para o Estadual após a vencer a Copa Oeste – o maior e considerado um das mais competitivos regionais -, o Xanxerê chegou a Morro da Fumaça para sua estreia no Estadual. O clube nasceu de uma quádrupla fusão. Olaria, tricampeão estadual em 2011, 2004 e 1999, Três Estrelas, Bavial e Tabajara se uniram para fortalecer ainda mais o futebol da cidade – os dois últimos, porém, desfizeram a fusão e já voltaram à ativa.

xanxere-x-atletico-pomerodense42
Fruto de uma quádrupla fusão, o Xanxerê carrega um pouco de cada time no seu escudo. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Também estreando no Catarinense, o Atlético Pomerodense conquistou a vaga através da Interligas do Vale do Itajaí, disputada no primeiro semestre. Na final, o time da cidade mais alemã do Brasil derrotou o Unidos – O Cancheiro esteve no primeiro jogo da final, em Indaial. Para tal estreia, o Atlético foi a Joinville buscar quase meio time de reforços. Bambam, Alceni, Kinho, Leandrinho, Benson e Marcão, por exemplo, estiveram em São Miguel defendendo o América.

xanxere-x-atletico-pomerodense77
Reforçada com arquibancadas metálicas, a sede do Rui Barbosa abriga uma das chaves do Estadual de Amadores (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Apesar de todas as credenciais, dos elencos qualificados e de prometerem uma partida com bom nível técnico, as equipes não apresentaram um bom futebol quando a pelota enfim rolou. Poucas trocas de passes e raras triangulações marcaram o primeiro tempo. Foi através de jogadas individuais, como a de Bruninho para o Atlético, e chutes de fora da área, como os de Jair e Fumaça para o Xanxerê, que as equipes chegavam próximas ao gol adversário.

xanxere-x-atletico-pomerodense34
Jogo teve um primeiro tempo truncado e pouco técnico. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
xanxere-x-atletico-pomerodense45
Bruninho foi à linha de fundo e quase abriu o placar para o Atlético. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

A peleja, porém, era de mata-mata – ou “mata”, como diria o tiozão ali do bar. Ao natural, a segunda etapa foi mais aberta e marcada por muita velocidade. A qualidade técnica, entretanto, seguiu devendo. E isso talvez tenha explicação: o camisa 10 de cada time. Jair Mueller, o melhor jogador do Estadual 2015, na minha humilde opinião, reforçou o Xanxerê para ser o mentor da equipe, mas o ex-Guarani estava jogando no seu limite físico e não conseguiu apresentar seu melhor futebol. Do outro lado, o maestro do Atlético, Juninho, teve que acompanhar a partida do lado de fora do campo, pois, lesionado, não pôde ser relacionado.

xanxere-x-atletico-pomerodense49
Alceni evita o gol de Jair Mueller. No segundo tempo, o camisa 10 xanxerense sentiu. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
xanxere-x-atletico-pomerodense59
Duda arrisca da meia-lua, mas Valmir salva de carrinho. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Quando a partida se encaminhava para um zero a zero murrinha, eis que o cobrador de faltas Jair deixa o campo e, no seu lugar, o zagueiro Guga vira o homem das bolas paradas. Na sua primeira oportunidade de mandar na área, aos 41, ele bateu direto para o gol. Aparentemente era uma bola tranquila de encaixar ou, no mínimo, espalmar, mas o experiente Bambam acabou aceitando.

xanxere-x-atletico-pomerodense69
Guga bateu direto para o gol. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
xanxere-x-atletico-pomerodense70
Vibração do zagueiro por aquele que dificilmente não seria o gol da classificação. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
xanxere-x-atletico-pomerodense71
Agradecimento por uma possível intervenção no momento em que o goleiro foi tentar espalmar. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

No abafa, o Atlético tinha pouco mais de cinco minutos para empatar novamente. E olha que, nesse curto período de tempo, surgiu sua melhor chance no jogo: após a defesa xanxerense não conseguir rebater, a bola sobrou na feição para Bruninho marcar, na cara do gol, mas ele encheu o pé e isolou. Posteriormente, a equipe pomerodense ainda reclamou de dois pênaltis, mas, em tal situação, jamais que o juizão Filipe Silveira Pacheco apontaria para a marca da cal.

xanxere-x-atletico-pomerodense75
Não deu para o representante do Vale do Itajaí. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
xanxere-x-atletico-pomerodense76
Com a perna direita imobilizada, Juninho, o camisa 10 da conquista da Interligas, cumprimenta seus companheiros. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Sem tempo para mais nada, coube ao Atlético Pomerodense deixar Morro da Fumaça de cabeça erguida. Depois de muito tempo, finalmente uma equipe de Pomerode voltava a disputar o Estadual, motivo pelo qual não faltaram provocações ao rival Floresta.O Xanxerê, por sua vez, segue em busca do tetracampeonato para a cidade. Amanhã volta a campo para enfrentar os donos da casa. Jogo complicado, já que, além do fator local, o Rui se reforçou visando a competição e trouxe o centroavante Lima, ídolo histórico do Joinville.

Mais retratos do confronto:

Lá na outra chave, em Nova Veneza, quem foi embora para a casa mais cedo foi o Pirabeiraba. O Caravaggio, um dos favoritos ao caneco, não deu chances para a equipe joinvilense e se classificou para as semis, vencendo por 2 a 0. Agora, o desafio será contra o campeão da Grande Florianópolis, o Estrela Azul, de Santo Amaro da Imperatriz.

O Cancheiro segue por Morro da Fumaça e volta amanhã para contar tudo o que rolar nas semifinais. O destino da final, aliás, será conhecido nesse domingo.

Fique ligado e até logo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s