Apafut vence PRS com segundo tempo eletrizante e fica perto da classificação na Super Copa Gaúcha

Dale!

Do Sul do Paraná à região serrana do Rio Grande do Sul. Em meia semana, O Cancheiro atravessou Santa Catarina e, mais uma vez, adentrou os pampas. O primeiro destino, dessa vez, foi uma novidade por aqui: Garibaldi, a terra do PRS, o mais novo clube gaúcho. Lá, a colorida equipe recebeu a Apafut, outro novato serrano, em peleja válida pela Super Copa Gaúcha.

PRS Futebol Clube
Júlio Cesar Nunes mandou a equipe do PRS a campo com Jean; Marcelinho, Matheus Wallace, Alexandre e Jefinho; Fernando Sena (Guilherme), Bruno Henrique, Roger (Franco), Igor (Marlon) e Valdeir (Pará); Athan (Marcos Douglas). (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
Apafut Flores da Cunha Futebol Clube
A Apafut, do técnico Norberto Lemos, jogou com Anderson; Mota, Flávio, Bruno Brum (Roger) e Salib; Jardel, Alisson (Edgar Alemão) e Diego Viana; Dener (Laion), Enrico (Lima) e Fischer (Paulo Henrique). (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
prs-x-apafut
Trio de arbitragem composto por Fernando Bertin, Gabriel Kessler Merlin e Alexandre Frozza. Flávio Turani foi o quarto árbitro. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

O palco do embate foi o Estádio Alcides Santa Rosa, dono de uma baita história protagonizada principalmente pelo falecido Guarany e, posteriormente, pela Associação Garibaldi de Esportes. Já estivemos lá nesse ano mesmo, em uma das nossas indiadas pelo interior gaúcho, mas sem bola rolando. Hoje reformada, a cancha chegou a correr o risco de não receber partidas profissionais em 2016. Isso até aparecer o PRS.

Alcides Santa Rosa
Fachada do Alcides Santa Rosa. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
prs-x-apafut032
A casa do futebol garibaldense ainda apresenta belas condições, incluindo um baita pavilhão reformado. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Com três investidores, a equipe faz parte de uma nova lógica que vem crescendo pelo futebol interiorano: os clubes-empresa. Inspirado em exemplos como o do Red Bull Brasil, a PRS Construtura, de Caxias do Sul, colocou um time para jogar profissionalmente e carregar seu próprio nome – para fins fantasiosos, o time se autodenomina “Players RS”. Apesar de muitos locais torcerem o nariz para a novidade, o fato é que a agremiação vem com a promessa de um trabalho sério e consistente na base, ao contrário do que vinha sendo feito na cidade, e já tem contrato firmado para jogar em Garibaldi por dez anos.

PRS
Com uma camisa que lembra desde aqueles degradês do word até um pôr-do-sol, o PRS é mais um clube novato a aparecer por aqui. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

A Apafut, por mais que seja outro debutante no futebol gaúcho em 2016, não é novidade por aqui – conferimos o primeiro jogo da história da equipe sob seus domínios, em Flores da Cunha. Na terceirona, o time fez uma campanha muito boa para um estreante, classificando-se para os quadrangulares semifinais e terminando no sexto lugar geral. Em parceria com a Universidade de Caxias do Sul, a associação já tem bastante cancha nas categorias de base e também tem um projeto a longo prazo.

prs-x-apafut017
Em parceira com a UCS e com a Prefeitura de Flores da Cunha, a Associação Pais e Amigos do Futebol conseguiu formar uma bela equipe profissional. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Dentro da Super Copa Gaúcha, os novatos serranos estão na Copa Larry Pinto de Faria – Ypiranga, Caxias, Atlético Carazinho e Juventude completam a chave. Com campanhas medianas e oito pontos conquistados, o embate dessa bela tarde de quarta-feira era tido como jogo de seis pontos pelas duas equipes.

prs-x-apafut015
No embate, em Flores da Cunha, terminou tudo igual: 1×1. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Como é de praxe nesse tipo de partida, as equipes costumam começar se estudando e com uma certa cautela. Mas não foi assim para o PRS. Logo aos quatro minutos, em uma cobrança de escanteio, a bola ficou pererecando na frente do gol, o zagueiro Flávio chegou a afastar, mas Athan não perdoou e mandou pro gol, abrindo o placar para a equipe garibaldense.

prs-x-apafut005
Athan, quase dentro do gol, apareceu para conferir, abrir o placar… (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
prs-x-apafut006
…abrir o placar… (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
prs-x-apafut007
…e correr pro abraço. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Com a desvantagem no placar, a Apafut passou a colocar a bola no chão e, na base da troca de passes, chegou perto de empatar ainda no primeiro tempo. Quem teve a primeira chance foi Enrico, após cruzamento de Cristiano, mas o atacante mandou de cabeça por cima. A pressão apertou por volta dos 30 minutos, momento em que o goleiro Jean apareceu de forma determinante, defendendo chutes perigosos de Diego Viana e Dener, além de uma meia-bicicleta de Fischer, o vice-artilheiro de terceirona pelo Gaúcho de Passo Fundo.

prs-x-apafut014
O técnico Norberto Lemos nada feliz com a atuação individual de sua equipe no primeiro tempo. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Jean também foi determinante no segundo tempo, mas para o outro lado. Ainda que tenha feito uma bela defesa aos 14, em uma bomba de Enrico, quatro minutos depois o arqueiro entregou a rapadura. Mota cruzou da direita, Jean subiu bem, mas acabou largando a pelota nos pés do matador Fischer e aí ele não perdoa. Pouco tempo antes, o atacante Edgar Alemão havia entrado na Apafut e dado uma nova cara ao setor ofensivo da equipe – curiosamente, Fischer e Edgar formavam a dupla de ataque do Gaúcho que enfrentou a Apafut quando O Cancheiro esteve em Flores da Cunha.

prs-x-apafut022
Jean, de atuação segurar até então, vacilou e largou a bola nos pés de Fischer. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

O 1 a 1 persistiu no placar até os 30, com a Apafut jogando melhor coletivamente e o PRS abusando das individualidades para desempatar. Foi assim que, após aproveitar uma sobra, Athan bateu rasteiro e encontrou Pará na pequena área, quase dentro do gol, para empurrar a bola para o barbante. A reação florense, porém, não tardou dessa vez. Aos 32, Diego Viana cobrou uma falta com força e precisão, colocando no ângulo de Jean; o arqueiro só conseguiu resvalar na bola, mas sem forças para tirar ela do caminho do gol.

prs-x-apafut028
Diego Viana empatou com uma baita cobrança de falta. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Com a partida aberta, ambas as equipes se jogaram ao ataque em busca do desempate. Quando parecia que o PRS estava mais perto do terceiro gol, há cinco minutos do fim da peleia, eis que novamente o coletivo da Apafut funciona: Roger puxou a jogada, tocou no meio para Mota, com toda a liberdade do mundo, escolher o canto e bater colocado com maestria, sem chances para Jean, ligeiramente adiantado. Mesmo com os cinco minutos regulamentares mais os quatro de acréscimos, o PRS não conseguiu furar a defesa da Apafut, que só cozinhou a partida e saiu da Garibaldi com o triunfo.

prs-x-apafut029
Mota arriscou colocado de longe… (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
prs-x-apafut030
…e mandou sem chances para Jean. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Os três pontos a mais deixam o quadro florense muito perto de garantir uma vaga no G4 e a classificação à próxima fase do torneio serrano. A equipe garibaldense, com sua camiseta crepuscular, se manteve na briga, em quarto, mas com uma partida a mais que o quinto colocado Juventude. Em suas respectivas casas, as duas equipes voltam a jogar na próxima rodada: o PRS, domingo, contra o Ypiranga, e a Apafut, segunda, contra o Atlético Carazinho.

prs-x-apafut023
Jean dando uma de líbero. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
prs-x-apafut020
Edgar Alemão entrou bem na partida, jogando pela ponta esquerda. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Por mais que muitos amantes do esporte bretão ainda tenham uma certa resistência às novas equipes e ao futebol moderno, o fato é que a partida entre PRS e Apafut foi muito melhor, tanto tática, quanto tecnicamente, que muito jogo entre equipes tradicionais já relatados por aqui. Talvez aos poucos o entendimento sobre futebol regional mude e esses quadros associados à empresas passem a ter o apoio local. Por enquanto vamos convivendo com vários modelos e sempre esperando que o futebol regional volte a ter o devido espaço e cresça da melhor forma.

Mais retratos de peleja:

Para o próximo jogo, pelo contrário, muita tradição desfilará por essas páginas. O próximo destino d’O Cancheiro é a vizinha Caxias do Sul, para um histórico confronto entre o Juventude e o São Paulo. Até logo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s