Metropolitano de Nova Veneza encerra um 2015 avassalador com mais um título da Larm

Buenas!

O 2015 do Metropolitano foi avassalador – não há outro adjetivo que melhor defina essa temporada. Após fechar 2014 com o título do Regional da Larm, o time de Nova Veneza conquistou a Copa Sul dos Campeões, o Estadual de Amadores e, nesse sábado, foi atrás de mais um título regional, dessa vez contra o Araranguá.

Metropolitano 3x0 AraranguáCSC_0184-001
O Metropolitano campeão entrou em campo com: Passarela; Brenno, Cleiton, Willian e Ricardinho; Filipe Monteiro, Dudu, Renan e Will; Foguinho e Ramon (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
Araranguá Esporte Clube
Araranguá Esporte Clube

Três campeonatos disputados e vencidos, campanhas absolutas, 85% de aproveitamento, torcida sempre presente. Feito que qualquer time de futebol almeja e que, salvo algumas exceções, dificilmente acontece por aqui. Mas não precisa ir muito longe para achar um time com tais características e com tamanha superioridade. Basta ir até o Sul de Santa Catarina e, em meio às montanhas, chegar a Nova Veneza, ou mais precisamente ao estádio Darci Marini. Lá, é possível acompanhar de perto o melhor time não-profissional de Santa Catarina.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0069-009
Arbitragem composta por Ronan Marques da Rosa, auxiliado por Magnum Nazario e Maicon Colombo, e os capitães Cleiton e Gilliarde. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Tomei tal rumo, nesse sábado, para ver o que seria mais um troféu levantado pelo Metrô. Não foi assim tão fácil chegar na bonitinha cidade de 14 mil habitantes, famosa pelo turismo religioso e gastronômico. De carona, fiz o caminho Florianópolis – Criciúma, mas, por questão de segundos, perdi o último ônibus para Nova Veneza. Ainda tentamos interceptar o coletivo, mas pelo jeito a Expresso Forquilhinha precisa atualizar os itinerários no seu site. Restou usar um artifício comum em Floripa, porém desconhecido do povo sulista: a carona de beira de estrada. Em letras garrafais escrevi “Nova Veneza” em um caderno e fiquei sob a garoa, ao lado de uma lombada eletrônica na avenida Álvaro Catão, esperando que alguma alma boa parasse. Não sei se eu tenho cara de bandido, mas passavam inúmeros carros de Nova Veneza e ninguém parava – ou olhavam com semblante assustado ou riam da situação. Até que uma pessoa que vinha de, vejam só, Florianópolis encostou o carro e cedeu a tão esperada carona. Depois de recusar um baseado e concordar com o motorista sobre o atraso da mentalidade “de no mínimo 30 anos” do povo do interior, finalmente cheguei ao meu destino.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0054-006
Não foi fácil chegar a Nova Veneza, mas valeu a pena. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Tudo conspirava para que a temporada d’O Cancheiro terminasse antes do previsto. Porém, lá estava eu, no Darci Marini para acompanhar mais uma final da Larm. Foi na final do ano passado, entre Caravaggio e Metropolitano, que tomei o gosto pelo futebol amador e decidi que, se um dia o blog virasse realidade, também contemplaria as categorias não-profissionais. Fiquei realmente surpreso e admirado com aquele Estádio da Montanha lotado para aquela decisão, fato que raramente é visto nas divisões inferiores profissionais de Santa Catarina.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0022-004
Somos Metro. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Em 2015, o Clássico da Polenta não decidiu o caneco, já que o Carava ficou pelo caminho. Quem tentou fazer frente ao Metrô foi uma novidade nem tão nova assim: o Araranguá. Essa é só a primeira temporada da equipe na elite da Larm. Com um projeto ambicioso de voltar ao profissional, onde foi bicampeão da Copa SC nos anos 90, o Araranguá já copou a segunda divisão de 2014 em sua primeira participação e, nessa temporada, só ficou atrás do próprio Metropolitano na campanha geral.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0204-019
Apaixonada torcida do AEC lotou seu setor. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Os finalistas deixaram a Carbonífera Criciúma e o Turvo para trás nas semifinais. Apesar da melhor campanha e do favoritismo, ambos precisaram de prorrogação para chegar à decisão. Na primeira partida final, em Araranguá, a pressão da baita torcida do AEC não foi o bastante para bater a equipe neoveneziana, que venceu a partida de virada e levou a vantagem do empate para o jogo de volta.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0063-008
Times perfilados para as execuções dos hinos sob uma chata garoa. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Para a grande decisão, praticamente toda a arquibancada do Darci Marini – que não é pequena – estava lotada. Nem a garoa chata que caía sobre a região foi capaz de afugentar os apaixonados adeptos do Metrô. Cerca de um quarto foi destinado à torcida araranguaense, que também compareceu em peso e lotou seu espaço. O ponto negativo foi a falta de segurança, que obrigou a Banda Louca, a barra brava do AEC, a se posicionar do outro lado do estádio, sob a chuva.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0080-010
No primeiro tempo, a Banda Louca do AEC não pôde ficar na arquibancada e se deslocou para o outro lado do campo. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Dentro de campo, o gramado molhado proporcionou um jogo rápido, bem técnico, e repleto de chances, principalmente para o Metropolitano. Mesmo com a vantagem, o time do técnico Walter Ghislandi não mudou sua forma de jogar e passou boa parte da primeira etapa no campo de ataque. Nem a chuva foi capaz de apagar o infernal Foguinho. O possível novo reforço do Criciúma para o ano que vem não deu sossego para a defesa adversária. Em tabelamentos com Luan, Ramon e Will, Foguinho teve oportunidades de marcar e ainda servia seus companheiros, mas faltava uma maior precisão na hora de finalizar. Foram várias as chances para o time da casa, deixando a impressão que quem precisava do resultado era o Metropolitano. “Como que essa bola não entrou?”, lamentou um gandula mirim após um belo chute colocado de Luan.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0114-014
Ramon meteu de cobertura, mas a zaga do AEC salvou em cima da linha. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Quando o Araranguá parecia estar equilibrando a partida, um erro no meio de campo fez o placar finalmente sair do zero. Quando se tem Foguinho, qualquer descuido pode ser fatal. O atacante roubou a bola, avançou no dois contra dois com a defesa adversária totalmente desconsertada e rolou para Ramon. O matador fez seu papel, abrindo para fora, cortando novamente para dentro e batendo à queima-roupa, sem chances para Tiago. O AEC até tentou esbanjar uma reação, mas como o gol saiu aos 40 minutos, não houve tempo e a partida foi para o intervalo com uma vantagem ainda maior para o Metrô.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0060-007
O gol deixou o grito de campeão ainda mais entalado. Faltava pouco. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

O começo da segunda etapa deixou bem claro que o Araranguá viria com tudo em busca da virada. No primeiro lance, Renan avançou e bateu cruzado, mas não encontrou nenhum companheiro na área para finalizar. O problema óbvio desse tipo de postura é que a defesa fica aberta, cedendo contra-ataques ao adversário. O Metropolitano, jogando de forma inteligente, se adaptou ao novo cenário do jogo e, na sua primeira chance de matar o jogo, Luan cruzou para Ramon deslocar o goleiro e marcar o segundo.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0188-016
No intervalo, a Banda Louca voltou para as arquibancadas, gerando discussões com diretores da Larm e do Metropolitano. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0202-018
O Araranguá bem que tentou, mas a defesa do Metropolitano teve uma atuação perfeita. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Com o 2 a 0, o jogo virou um show de contra-ataques do Metropolitano. Enquanto o AEC não conseguia marcar lá na frente, o Metrô pegava a bola e rapidamente ligava ao seu rápido ataque. Luan, Ramon e Foguinho tiveram novas chances, mas desperdiçaram. Em nova subida ao ataque, Luan ia fazendo a jogada quando, do nada, houve uma invasão generalizada de jogadores e comissões técnicas. Com o foco no ataque do Metropolitano, acabei não pegando o que causou a briga do outro lado do campo. No meio da confusão, Renan e Will foram expulsos.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0244-021
Membro da comissão técnica, expulso na confusão, provocando a torcida local. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Quando a bola voltou a rolar, depois de quase cinco minutos parada, Foguinho ia puxando outro contra-ataque, quando, na entrada da área, foi derrubado por atrás por Esquerdinha. Mais um expulso pelo lado amarelo. Era tudo que o Metropolitano queria. Com o campo ainda mais aberto, Foguinho lançou o zagueirão Cleiton, que resolveu dar uma de ponta. O capitão avançou com velocidade, fazendo as vezes do expulso Will, levantou a cabeça e rolou para Luan chegar de carrinho e finalizar para o gol.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0214-020
Agora sim. “Tetracampeão!”. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Daí foi questão de tempo para que o Metropolitano levantasse sua quarta taça da Larm – a terceira seguida. Os campeões ainda tiveram tempo de desperdiçar mais chances de gol, dessa vez com Borracinha. Ele teve três chances: na primeira, chutou nas mãos do goleiro; na segunda, inventou de tocar para um companheiro, mesmo com o gol aberto; por fim, cortou a marcação e chutou fraquinho. Em outras condições, a torcida não perdoaria o atacante. Mas era tudo festa. O Metropolitano estava conquistando sua tríplice coroa de forma absoluta e avassaladora.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0295-024
Nem os jogadores esperaram o término da partida para soltar o grito. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Com o apito final do árbitro Ronan Marques da Rosa, a festa tomou conta do gramado. Não era “só” o título da Larm que estava sendo comemorado, era a tríplice coroa, a superioridade do Metropolitano no futebol amador de Santa Catarina. Aliás, celebrando o feito, foi confeccionada uma faixa com as três conquistas de 2015, intitulada com a palavra “Tripl3t” à la Barcelona. Do lado de fora, as torcidas deram um show. Mesmo com a suposta falta de segurança alegada pela (des)organização da Larm, a barra brava do AEC e a torcida organizada do Metrô se uniram e lado a lado fizeram uma bonita festa nas arquibancadas.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0350-030
União entre as duas torcidas, após o jogo, dando um tapa na cara de quem achou que não poderiam ficar juntas na mesma arquibancada. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0312-025
O tradicional peixinho da equipe do Metropolitano não podia faltar. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Para 2016, o Metropolitano tentará repetir as três conquistas e ainda buscar a única competição que falta: o Sul-Brasileiro, que deverá ser disputado em São Paulo. Como diria Fafá de Belém, em sua música repetida incansáveis vezes no estádio, o Metropolitano “vermelhou” o futebol da região, desde o Municipal, passando pelo Regional, Copa Sul e até o Estadual.

Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0336-028
Gilliarde queria essa taça maior, em primeiro plano, mas não tem como negar que a taça de vice, para uma equipe recém formada, é muito honrosa. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0343-029
Foguinho ainda foi o artilheiro do campeonato. (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)
Metropolitano 3x0 AraranguáDSC_0284-023
É tudo do Metrô! (Foto: Lucas Gabriel Cardoso)

Mais fotos:

Já O Cancheiro continuará seguindo seus rumos pelo futebol esquecido do Sul, com novas competições no primeiro semestre e muita bola rolando, seja no amador, nas categorias de base ou no profissional. A ti, leitor, fica o meu agradecimento por ter tornado o blog muito maior do que o imaginado para o seu primeiro semestre e o desejo de um feliz ano novo.

Um baita abraço e que venha 2016!

Um comentário sobre “Metropolitano de Nova Veneza encerra um 2015 avassalador com mais um título da Larm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s